Street Food

Seria de esperar que estando todas as condições reunidas, a "street food" marcasse uma presença forte em Portugal. Entenda-se por street food todos os alimentos e bebidas confeccionados por um vendedor ambulante para serem consumidos de imediato. 

 

Ora vejamos. O clima propício para desfrutar de comida de rua sem dúvida que temos. Se formos a comparar com outras cidades listadas no Top 10 como Bruxelas e Londres onde vigoram temperaturas negativas durante uma boa parte do ano, Portugal é um país quase tropical.

Excelência gastronómica também não está em falta. Reconhecida por muitos gourmands que procuram boa comida nos seus destinos turísticos, o nosso país consta com muita regularidade nas pole positions dos rankings. 

A comida de rua também surge para dar resposta a quem não quer ou não pode gastar muito nas suas refeições e bem sabemos que Portugal não prima por desafogo financeiro na grande camada da população. Em 2009, com a chegada da crise financeira, registou-se um crescimento exponencial no número de food trucks em cidades como, por exemplo, Nova Iorque. A onda de desempregados que a crise gerou encontrou uma boa fonte de rendimento com um investimento relativamente pequeno. 

Então porque será que a comida de rua não está em toda e qualquer esquina da nossa Lisboa repleta de turistas e residentes à procura de uma refeição rápida, barata e de qualidade? Talvez porque a nossa legislação é demasiado inibidora e proteja o comércio local não dando oportunidades para a venda ambulante vingar. Os poderes da ASAE e das entidades reguladoras serão tão oprimentes ao ponto de sufocarem esta actividade? Continuam a querer estimular o comércio local como aquando da lei que obrigava os hipermercados a fecharem ao fim de semana pensando que assim estimulavam os consumidores a comprar local. Enganaram-se e enganam-se.

Eu sou a favor da preparação de alimentos e bebidas em espaços exíguos e sob o olhar atento do consumidor. Afinal de contas é assim que se trabalha nos food trucks. A higiene tem que ser primorosa tal como a organização e nada escapa ao escrutínio de um cliente faminto e à espera de ser servido. Haverá melhor inspector que este? Quanto à qualidade do que se serve, essa é fácil de observar pela quantidade de pessoas que ficam satisfeitas e voltam no dia seguinte.

A rapidez também é um grande trunfo da comida de rua. Despachar o almoço em tempo reduzido para poder seguir com a nossa vida atarefada é uma das características que melhor explica a procura deste tipo de comida nos grandes centros urbanos. Será que a grande maioria dos portugueses ainda se encontra agarrado ao velho costume de parar para o almoço durante quase duas horas porque tem que ficar a picar o ponto no escritório até tarde não vá acharem mal? Seremos tão antiquados assim?

A verdade é que cresce a olhos vistos as pessoas que procuram soluções para uma refeição rápida, barata, de qualidade e saudável no seu dia-a-dia e talvez por isso o fenómeno da marmita tenha ganho tanta relevância na vida dos portugueses. Eu sou a favor da marmita e para colmatar as falhas notórias e falta de opções na nossa restauração, que persiste em abrir espaços em zonas tipo centro comercial (aaarrrghh!), lancei uma nova página no menu da Gray´s Cuisine chamada Health Box com propostas de saladas saudáveis e nutritivas que são passíveis de "enmarmitar" e levar para todo o lado: escritório, praia, piquenique, ginásio ou mesmo o jardim perto de sua casa. 

 

It would be expected that given all the necessary conditions being present, "street food" would have a strong presence in Portugal. By street food I mean all the food and drink that is prepared by street vendors for immediate consumption.

Let´s see. A favourable climate to enjoy street food we most definitely have. If we compare to other cities listed in the Top 10 like Brussels and London where sub zero temperatures are a reality for a great part of the year, Portugal is almost a tropical country.

Gastronomical excellence is also not at fault. Recognized by many gourmands who seek good food in their touristic destinations, our country repeatedly figures in the pole positions of such rankings.

Street food also comes to existence to close a loophole for those wanting or needing to spend as little as possible on their meals and, as is well known, Portugal is in no financial ease. In 2009, with the onset of the financial crisis, there was an exponential growth in the number of food trucks in some cities like, for example, New York. The huge amount of unemployed that came about due to this crisis found a way to increase their income with relatively low investments.

Then why is it that street food is not to be seen in any and all corners of our Lisbon, full with tourists and residents looking for a cheap, quick and good meal? May be because our legislation is so inhibitive and protects local commerce as seen in the late law that ruled that big supermarkets could not stay open during week ends thus thinking it would encourage consumers to buy local. They were and are wrong.

I am all for the preparation of food and drink in a small and contained space under the attentive eye of the consumer. After all this is the work environment for the food street vendors. Hygiene must be excellent as also needs be the planning and organization and nothing escapes the hawk eyed watch of a starving client waiting to be fed. Is there a better inspector than this one? About the quality of the food being served, that is easily measured by the number of people who decide to come back the following day.

Swiftness is also a big trump for street food. Getting through lunch quickly to go back to our busy lives is one of the characteristics that better explains the growth in demand for this kind of food in the big urban centers. Is it possible that most portuguese people are still holding on to that old habit of taking two hours for lunch break because they have to stay in late at the office just because? Are we that outdated?

The truth is that the amount of people looking for options for a quick, cheap, good quality and healthy meal in their day-to-day life is increasing notoriously and that might explain the growing phenomenon of the bento box. I am all for the bento box and to close the loopholes and lack of options in our restaurant world, who persist in opening shops in malls (aaarrrghh!), I have released a new page in Gray´s Cuisine menu called Health Box with wholesome and nutritious salads that are liable of "boxing" and taking with you everywhere you go be it office, beach, picnic, gym or simply to the garden near by.