Choices

I have been thinking about what parenting means to me and what is important to me as a mom. In this 20 year old journey that began for me on January 1995 and repeated another four different times, what are the defining moments?

Choices. That´s what it is all about. 

My children were born to have me as a mom: that´s obvious and no choice there. Mom and baby get through the first weeks with mostly feeding and sleeping on their mind. If you are lucky enough to have a quiet child then you may have a few moments to yourself but if you weren´t that lucky then chances are you feel your brain is mush and surviving through the day is your number one priority. I would say: hardly any choices yet for yourself or your child.

Then weeks pile up into months and the child´s world grows bigger as he becomes mobile. You want him to be safe so "NO" becomes a useful word. Basically it´s still just a yes or no dilemma. But your parenting skills are required more often as the baby´s choices begin to grow. Shall I stick my fingers in a socket? Should I climb these stairs? Can I scream for so loud and for so long that I get to sleep in Mom´s bed?

Yes. Now, I feel, begins your real journey as mom. From caretaker you diversify into social skills instructor, health and safety policewoman, tender loving care provider, 24 hr on call driver, social network censor, etc, etc. And as child grows into teenager and then progresses into young adult life all that input you gave into raising this person is tested when descendant in question has to make their choices in day-to-day living. And these grow exponentially now. You stand vigilant, steering in the right direction, pointing the path on a crossroad and slowly letting go of your hold hoping, praying, that the right choices will be made.

Shall I join the riot and throw stones at policemen? Should I join in on the bullying that is going on at school? Shall I study hard in order to safeguard all my options when the time comes for me to choose what I want to be in life?

So being a mom for me is keeping those array of choices as wide as possible and hope that my work was well done and my child is confident enough to choose without fear of being wrong; emotionally strong enough to fight for his chosen beliefs; educated as best as deemed possible so that the entire world is an option; and finally happy because he was never forced into a bad situation for lack of choices.

When it comes to choosing what to eat you should also try to avoid the unhealthy options and desserts are usually high in sugar and fats. What I propose today is delicious and fulfils any nagging wish you might have for a dessert without ruining the effort you are making to keep a balanced diet.

Picture perfect Filo Pear Tarts

Picture perfect Filo Pear Tarts

Tenho estado a pensar sobre o que ser mãe significa para mim e qual a sua importância. Nesta viagem de 20 anos que se iniciou em Janeiro de 1995 e repetida por mais quatro diferentes vezes, quais foram os momentos que a definem?

Escolhas. É sobre escolhas.

Os meus filhos nasceram para terem me a mim como mãe: isso é óbvio e claramente não houve nenhuma escolha envolvida. Mãe e bebé passam as primeiras semanas quase na sua totalidade com preocupações em comer e dormir. Se tiver tido a sorte de ter um bebé tranquilo então ainda poderá ambicionar em ter uns momentos para si mas se não lhe calhou tal sorte, o mais provável é sentir o seu cérebro em papa e "sobreviver"  é a sua grande prioridade. Diria que até aqui existem poucas escolhas para mãe ou filho.

E depois as semanas transformam-se em meses e o mundo do bebé cresce e ele torna-se móvel. Você quer vê-lo seguro e a palavra "NÃO" torna-se bastante útil. Basicamente ainda é um dilema de sim ou não. Mas as suas capacidades parentais são requisitadas mais frequentemente à medida que as escolhas do bebé também aumentam. Será que posso enfiar os dedos na tomada? Subirei estas escadas? Consigo gritar tanto e tão alto que me permite dormir na cama da mãe?

Sim. Agora sim começa a sua viagem enquanto mãe. De mera zeladora, os seus papéis diversificam-se e transforma-se em instrutora de competências sociais, polícia de saúde e segurança, prestadora de amor e carinho, motorista em atendimento permanente, censor das redes sociais, etc, etc. E no processo da criança crescer para se tornar adolescente e mais tarde progredir até ser jovem adulto, todo o input que deu na educação desta pessoa é testado quando o descendente em questão faz as suas escolhas na sua vida quotidiana. E estas crescem exponencialmente. Você permanece vigilante, conduzindo na direcção certa, apontando o caminho a tomar numa encruzilhada e largando mão do controle e espera, reza, que as escolhas feitas serão as mais acertadas.

Irei juntar-me ao motim e atirar pedras aos polícias? Irei participar no bullying que está a acontecer na escola? Irei estudar muito para salvaguardar todas as minhas opções para o momento em que tiver que escolher o que quero ser na vida?

Para mim ser mãe é manter este leque de escolhas o mais alargado possível e esperar que o nosso trabalho tenha sido relevante e que o meu filho ou filha seja confiante o suficiente para escolher sem ter medo de errar; emocionalmente forte para lutar pelas crenças que elegeu; educado o melhor possível para que tenha o mundo inteiro à sua escolha; e finalmente feliz porque nunca se viu forçado a aceitar uma má situação por falta de opções.

Quando chega a altura de escolher o que comer devia tentar evitar as opções menos saudáveis e as sobremesas são normalmente cheias de açúcar e gordura. O que proponho hoje é delicioso e sacie o desejo de comer uma sobremesa mas sem arruinar o esforço que possamos estar a fazer para manter uma dieta equilibrada.

You can choose to serve this dessert as finger food size and the blackcurrant cream as dip or individual portions with the cream as a side. This recipe also works well if you don´t want to use the blackcurrants. Just follow the recipe and add 1 tbsp of honey to the cream ingredients.

Serves 12

  1. Preheat the oven to 180ºC or 160ºC if fan-assisted. 
  2. Place the butter, honey and cinnamon in a saucepan and heat gently until the butter melts.
  3. Lightly brush a sheet of pastry with this mixture and then top with another sheet. Do the same process until there are no more sheets of pastry left. Brush the top sheet as well.
  4. Cut the pastry into 12 or 24 pieces depending on the size you want. Place these on baking paper on a tray.
  5. Cut the bottom off the pears and slice them very finely with the use of a mandolin. Place one or two slices, depending on size, on each and sprinkle with a little sugar.
  6. Bake for 12 to 15 minutes or until golden and crisp.
  7. To make the blackcurrant cream, place the blackcurrants with the water, lemon juice and brown sugar in a pan. Heat gently and crush the blackcurrants with a fork. Allow to simmer until it is a thick consistency. Set aside to cool.
  8. In a bowl combine the yoghurt, cream, mascarpone and vanilla essence and whip until firm. Stir in the blackcurrant jam only slightly.

Pode escolher servir esta receita como porções de cocktail e com o creme de amoras como dip ou então como porções individuais com o creme como acompanhamento. A receita também resulta bem sem amoras e é só seguir as instruções para fazer o creme e adicionar uma colher de sopa de mel.

Para 12 porções

  1. Aqueça o forno a 180ºC ou 160ºC se tiver ventoinha.
  2. Coloque a manteiga, o mel e a canela numa frigideira e aqueça em lume brando até a manteiga estar derretida.
  3. Pincele esta mistura numa camada fina na folha de massa filo e coloque outra folha de filo por cima. Repita este processo até não ter mais folhas. Certifique-se que pincela também a folha de cima.
  4. Corte a pilha de folhas filo em 12 ou 24 pedaços conforme o tamanho que desejar. Coloque-os em cima de papel vegetal num tabuleiro de ir ao forno.
  5. Corte a parte de baixo das pêras e, utilizando um cortador de vegetais, corte-as em fatias muito finas. Coloque uma ou duas fatias em cada pedaço de filo conforme o tamanho delas e polvilhe com um pouco de açúcar branco.
  6. Leve ao forno por 12 a 15 minutos ou até estarem douradas e estaladiças.
  7. Para fazer o creme de amoras, coloque as amoras, a água, o sumo de limão e o açúcar mascavado num tacho e aqueça em lume brando. Vá esmagando as amoras com um garfo e deixe cozinhar até estar bem espesso. Retire do lume e deixe esfriar.
  8. Numa tigela misture o mascarpone, o iogurte e as natas e bata até ficar mais ou menos firme. Junte o doce de amora e misture apenas ligeiramente.

 

ingredients

For the tarts

  • 2 Packham pears
  • 6 filo pastry sheets
  • 50g butter
  • 2 tbsp honey
  • 1/2 tsp cinammon
  • Caster sugar to sprinkle

For the blackcurrant cream

  • 300g blackcurrants
  • 2 tbsp brown sugar 
  • 1 tbsp lemon juice
  • 1 tbsp water
  • 100g mascarpone cheese
  • 100g double cream
  • 100g greek yoghurt
  • 1/2 tsp vanilla essence

ingredientes

Para as tartes

  • 2 pêras Packham
  • 6 folhas de massa filo
  • 50g manteiga
  • 2 colheres de sopa de mel
  • 1/2 colher de chá de canela
  • Açúcar branco para polvilhar

Para o creme de amora

  • 300g amoras
  • 2 colheres de sopa de açúcar mascavado
  • 1 colher de sopa de sumo de limão
  • 1 colher de sopa de água
  • 100g queijo mascarpone
  • 100g de natas frescas para bater
  • 100g de iogurte grego
  • 1/2 colher de chá de essência de baunilha